sexta-feira, 25 de maio de 2018

Esparguta-dos-montes (Spergula morisonii)

 (1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

 
(8)
 
(9)

(10)
Esparguta-dos-montes (Spergula morisonii Boreau)
Erva anual, com caules geralmente ascendentes, glabros ou, a espaços, pubescentes, com 5 a 30 cm; folhas (2 a 20 mm) lineares, algo suculentas, dispostas em fascículos, em regra com comprimento inferior ao dos entrenós; flores pentâmeras com 5 a 10 estames; sépalas ovadas com cerca de 5mm de comprimento, podendo atingir  6,5 mm na frutificação; pétalas inteiras, brancas, ovadas, obtusas, em geral contíguas, com comprimento semelhante ao das sépalas; cápsula (fruto) ligeiramente maior do que as sépalas; sementes em forma de disco, aladas, com a asa mais estreita que o disco central (cfr. foto 7).
Tipo biológico: terófito;
FamíliaCaryophyllaceae;
Distribuição: Centro, Oeste e Sudoeste da Europa; e Argélia, no Norte de África.

Em Portugal, ocorre apenas no  território do Continente, nas regiões a norte do Tejo.
Ecologia/habitat: terrenos baldios ou incultos, pastagens anuais, mais ou menos perturbadas, com frequência em solos arenosos, a altitudes até 2500m.

Floração: de Março a Julho.
(Local e data: Serra do Açor; 10 - Maio - 2018)

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Convolvulus fernandesii







Convolvulus fernandesii P.Silva & Teles
Endemismo lusitano que ocorre apenas no Cabo Espichel, onde, por sinal, não é de fácil avistamento, pois tem o habitat limitado ás escarpas e fendas abertas ao longo das arribas da costa, onde o acesso é, com frequência, difícil.
Já objecto de uma anterior publicação, volta hoje as estas páginas, na sequência de uma jornada dedicada á flora do Cabo Espichel e Serra da Arrábida. Trata-se, pois, de uma revisitação.

domingo, 20 de maio de 2018

Nova época de orquídeas silvestres (XXVI): Limodorum trabutianum




Limodorum trabutianum Batt.
Planta da família Orchidaceae, desprovida de clorofila e, por isso, obrigatoriamente parasita (tipo biológico: epífito). 
Indiscutivelmente muito semelhante, no hábito, ao seu congénere Limodorum abortivum, é, no entanto, muito fácil distinguir um do outro. Para tanto basta que se atente no comprimento do esporão: o do  L. trabutianum não excederá 4 mm, enquanto que o do L. abortivum, muito maior, pode sextuplicar o comprimento daquele.
Distribuição: Oeste da Região Mediterrânica e Sudoeste da Europa.
Em Portugal está confinado ao território do Continente e com ocorrência apenas no Alto e Baixo Alentejo, Estremadura, Ribatejo, Beira Litoral e Trás-os-Montes.
Ecologia/habitat: orlas e clareiras de bosques e de matagais, em terrenos arenosos ou pedregosos, em substratos de natureza calcária, xistosa ou arenítica, a altitudes até 1050m.
Floração: de Abril a Junho.
(Local e datas: Alvaiazére; 9/11 - Maio - 2018)

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Plantas ornamentais: Escalónia (Escallonia rubra)




Escalónia [Escallonia rubra (Ruiz & Pav.) Pers.]
Planta arbustiva, originária da América do Sul (Chile e Argentina), muito usada como planta ornamental, inclusive em Portugal, onde floresce de Março a Agosto.
Família: Escalloniaceae;
(Local e data: Almada; 4 - Maio - 2018).
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 15 de maio de 2018

Linaria amethystea subsp. multipunctata




Linaria amethystea subsp. multipunctata (Brot.) Chater & D.A.Webb *
Planta anual (tipo biológico: terófito) da família Plantaginaceae;
Distribuição: É um endemismo de Portugal Continental (LU, para os botânicos) com ocorrência limitada à Estremadura e Beira Litoral.
Floração: de Janeiro a Maio.
* Sinonímia: Antirrhinum multipunctatum Brot. (Basónimo)
(Local e data: Serra de Montejunto; 5 - Maio - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Tanacetum mucronulatum

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)
Tanacetum mucronulatum (Hoffmanns. & Link) Heywood *
Planta herbácea vivaz (tipo biológico: hemicriptófito) da familia Asteraceae / Compositae.
Distribuição: Planta endémica de Portugal Continental (LU), de ocorrência aparentemente rara e limitada ao território a norte do Tejo.
Ecologia/habitat: orlas e clareiras de bosques e matagais, em solos calcários, ultrabásicos e xistosos. 
Floração: de Maio a Agosto.
* Planta muito semelhante à sua congénere Tanacetum corymbosum da qual se distingue por ser "mais peludo, menos empertigado, e com pedúnculos mais curtos", na feliz expressão do Paulo Araújo, expressão de que me sirvo uma vez mais.
[Local e datas: Arruda dos Pisões (Rio Maior); 5 - Abril - 2018 (foto 5); 13 - Maio - 2018 (fotos restantes)]